O que é o Batismo
O Batismo é o sacramento comum a todos os cristãos. A Igreja administra-o segundo a missão que o Senhor lhe confiou: "Ide... fazei discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo." (Mt 28, 19). Os ministros ordinários do Batismo são o bispo, o sacerdote ou o diácono. Em caso de necessidade grave, qualquer pessoa - mesmo não estando batizada - pode administrá-lo, desde que queira fazer o que faz a Igreja (cf. CIC 1256). "Batizar" vem de uma palavra grega que significa "mergulhar"...
Mergulhado (batizado) na morte para a salvação do mundo (cf. CIC 1225). Quando uma pessoa não batizada dá a sua vida por Jesus Cristo (martírio), recebe o Batismo de sangue. Fala-se também de Batismo de desejo entre os não batizados que praticam o bem, se comprometem pelo próximo e deste modo - às vezes sem o saberem - seguem a Cristo. Quanto às crianças que morrem sem Batismo, acreditamos que, na sua misericórdia, Deus não as abandona.

FRUTOS DO BATISMO
O Batismo vale uma vez por todas. Não se pode revogá-lo nem reiterá-lo.. Porque imprime no cristão um selo espiritual definitivo da sua pertença a Cristo. A este selo indelével, dá-se o nome de "caráter batismal", que nenhum pecado pode apagar, mesmo que o pecado impeça o Batismo de produzir seus frutos de salvação (cf. CIC 1272). O Batismo institui uma relação pessoal com cada uma das Pessoas da Santíssima Trindade: o Espírito Santo derrama em nós a graça santificante que nos torna "participantes da natureza divina" (2 Pd 1,4). Isso significa que somos filhos adotivos de Deus em Jesus Cristo, que é Filho Único do Pai. A graça santificante encerra as virtudes teologais de fé, esperança e caridade, em virtude das quais podemos conhecer Deus como ele se conhece, amá-lo como ele se ama, e esperar viver para sempre em comunhão com ele, conforme o seu desejo. A graça comporta também os dons do Espírito Santo, que pode levar-nos a viver e a agir sob a sua moção (CIC 1266). O Batismo faz-nos também participantes do sacerdócio de Cristo, da sua missão de sacerdote, profeta e rei, isto é, permite-nos oferecer-nos com ele ao Pai, testemunhar o Evangelho e consagrar o mundo a Deus: é o sacerdócio comum dos fiéis. O Batismo apaga o pecado original, opera o perdão dos pecados, torna-nos filhos de Deus, irmãos e irmãs de Jesus Cristo, membros da Igreja. Somos irmãos e irmãs uns dos outros e podemos dizer de verdade: "Pai nosso que estais no céu". O Batismo é um começo, primícia de Deus que é preciso fazer frutificar ao longo de toda a vida. Se formos fiéis a Cristo na fé, na esperança e na caridade, então, a graça recebida no Batismo atua em nós e cresce. O Batismo encontra, portanto, a sua plena realização na santidade a que todos somos chamados e que se realiza progressivamente graças ao crescimento da vida de Deus em nós.


QUEM PODE RECEBER O BATISMO?
A Igreja chama ao Batismo tanto as crianças como os adultos. As pessoas que se batizam pela Igreja em idade adulta passam por uma fase de aprendizagem da fé: o catecumenato que as conduz, por etapas, ao Batismo e as incorpora na Igreja. O Catecumenato: tempo de preparação ao Batismo pela iniciação na fé e na vida cristã, no caso do Batismo de um adulto. Para os batismos de crianças, este catecumenato tem lugar evidentemente depois do Batismo, quando elas chegam à idade em que podem compreender e querer que desabroche nelas a graça do Batismo recebido ao seu nascimento. E o que chamamos de catecismo (cf. CIC 1231). Desde o princípio, a Igreja também batizou as crianças, porque é necessário "não impedir as crianças de virem a Cristo, pelo dom do santo Batismo" (CIC 1261). Quando os pais, os padrinhos e madrinhas trazem uma criança às fontes batismais, porque querem transmitir-lhe não apenas a vida, mas também a fé da Igreja prometem educá-la de maneira e catequizá-la.

O OBJETO E A FORMA DO BATISMO
Objeto: ÁguaForma: mergulha-se três vezes o catecúmeno na pia batismal, ou derrama-se por três vezes a água sobre a sua cabeça, enquanto se pronunciam as seguintes palavras: "Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo".


O BATISMO NAS SAGRADAS ESCRITURAS
Nas Sagradas Escrituras:João Batista tinha pregado um Batismo de água e de arrependimento, a fim de preparar a vinda do Messias, e Jesus quis receber este Batismo de João no rio Jordão como "o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo" (Jo 1,29). Jesus deu-nos o Batismo no Espírito, a fim de que todos os homens possam renascer da água e do Espírito para entrar no Reino de Deus (Jo 3, 5).A pregação de Pentecostes por São Pedro, em Jerusalém, vai direto ao coração de muitos ouvintes. Eles perguntam a ele, e aos outros apóstolos: "Que devemos fazer?". Conforme ao mandato do Senhor (Mt 28,19), São Pedro responde: "Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo" (At 2, 37-38).A nova comunidade de Deus, a Igreja, não cresce apenas entre os judeus. Nos Atos dos Apóstolos (8, 26-40), São Lucas narra à história de Filipe, um dos sete diáconos. Inspirado por Deus, vai pela estrada que conduz a Gaza. Encontra aí um homem importante, vindo da Etiópia, que regressa para casa depois de ter ido rezar no templo de Jerusalém, e que, sentado no seu carro, lê a profecia de Isaías (Is 53, 7-8). Filipe ouve o que este estrangeiro está lendo e pergunta: "Tu compreendes o que estás lendo?" - "Como poderia, se não há alguém que me oriente?" Filipe explica, então, como a palavra do profeta se realiza em Jesus Cristo: Ele veio para reconciliar os homens com Deus. Foi rejeitado e aceitou o sofrimento; não se defendeu contra a morte na cruz. Foi morto como um cordeiro levado ao sacrifício. Mas Deus ressuscitou-o. Está vivo e nós somos suas testemunhas. Ele é o Salvador e Redentor. Aquele que acredita que Jesus é o Messias, o Senhor e se faz batizar, torna-se um homem novo, um cristão. Pelo caminho, encontram uma nascente de água. O etíope diz: "Aqui temos água! Que impede que eu seja batizado?" Ambos vão até a água e Filipe o batiza: "Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". Foi este o primeiro cristão de África.São Paulo também cita o Batismo, como maneira de Renascer em Cristo morrendo para o pecado: "No Batismo, fostes sepultados com ele, com ele também fostes ressuscitados, porque crestes na força de Deus, que o ressuscitou de entre os mortos". CL 2, 12.

A VIGÍLIA PASCAL
O Batismo pode ser dado em todos os tempos, mas está particularmente ligado à Vigília Pascal, durante a qual se celebra a Ressurreição de Cristo.A água batismal é benta durante a Vigília Pascal:"Olhai agora, ó Pai, a vossa Igrejae fazei brotar para ela a água do Batismo. Que o Espírito Santo dê, por esta água, a graça do Cristo,a fim de que o ser humano,criado à vossa imagem,seja lavado da antiga culpa pelo Batismo e renasça pela água e pelo Espírito Santo para uma vida nova".É também durante a Vigília Pascal que os fiéis - adultos e crianças - renovam a profissão de fé do seu Batismo.

Categories:

Leave a Reply