O que é Matrimonio


Matrimônio é uma união para toda a vida. Jesus disse: "O que Deus uniu, o homem não separe" (Mc 10, 9). Para muitos, esta palavra é dura, pois não há garantia de êxito em uma relação: as pessoas podem enganar-se, o seu amor pode asfixiar-se, em caso de doença ou em situações de sofrimento. Pode acontecer que duas pessoas que se amavam, deixem de compreender-se...
Já não conseguem dialogar, tomam-se estranhas uma à outra. Com efeito, o sacramento do casamento não deve permanecer uma simples recordação dos tempos felizes. O sacramento recebido continua a ser, cada dia e até o fim, a fonte de uma graça a que se pode recorrer incessantemente, a fim de conseguir a renovação do amor mútuo, a força do perdão, o apoio na provação, a alegria da fidelidade.

FRUTOS DO MATRIMÔNIO


É amando que o homem se toma plenamente o que ele é. Pois Deus - que é amor - criou-o à sua imagem, enquanto homem e mulher (Gn 1,27). Quando um homem e uma mulher se encontram, se amam, já não querem viver um sem o outro, devem preparar-se para isso. É o namoro, o noivado: escola de vida e de castidade, tempo de graça em que se aprofundam no seu projeto relativo aos compromissos do matrimônio. No sacramento do Matrimônio, prometem-se mutuamente fidelidade para toda a vida, intercambiando, livremente, o seu consentimento: é este consentimento que faz o matrimônio. O seu amor humano é então transformado interiormente pelo próprio amor de Deus, de maneira que se dão um ao outro este amor de Deus e se santificam mutuamente (cf. CIC 1639-1642). E porque se trata não só do amor dessas duas pessoas, mas também do amor de Deus, fazem esta promessa em público, diante da comunidade eclesial (manifestada particularmente pelas testemunhas) e diante do sacerdote. Este representa a Igreja, e dá-lhes a bênção nupcial pela qual os esposos, ministros do sacramento, recebem o Espírito Santo que realiza a comunhão de amor de Cristo e da Igreja (cf. CIC 1624)

QUEM PODE RECEBER O MATRIMÔNIO


Matrimônio é uma instituição natural, derivada da própria índole masculina e feminina, deve ser contraído apenas com uma preparação adequada e com maturidade dos noivos.

O OBJETO E A FORMA DO MATRIMÔNIO


Objeto: Os próprios noivos. A união dos esposos é selada por um dom mútuo entre ambos: tomam-se "um só corpo e uma só alma" e encontram assim a sua plenitude e felicidade. Forma : Eu.............. te recebo .............como meu esposo (esposa) e te, prometo ser fiel, amar e respeitar, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.

O SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO NAS SAGRADAS ESCRITURAS


Então Javé Deus fez cair sobre o homem um sono profundo, e este adormeceu. Tirou-lhe uma costela e fechou de novo a carne em seu lugar. Da costela que tirou do homem, Javé Deus edificou uma mulher e a apresentou ao homem. O homem exclamou: ?Desta vez, sim! É osso de meus ossos, e carne de minha carne! Esta se chamará mulher, isto é, a humana, porque do homem foi tirada?. É por isso que o homem deixará pai e mãe, e se apegará à sua mulher, e serão uma só carne?. (Gn 2, 21-24) O próprio Jesus cresceu em uma fanu1ia em que a santidade de Maria e de José era eminente. No limiar de sua vida pública, escolheu revelar-se aos discípulos realizando o seu primeiro milagre por ocasião de uma festa de casamento (Jo 2, 1-11). "A Igreja atribui grande importância à presença de Jesus nas núpcias de Caná. Vê nela a Confirmação de que o casamento é uma realidade boa e o anúncio de que, daí em diante, será ele um sinal eficaz da presença de Cristo" (CIC 1613). "Este mistério é grande: eu digo isto com referência a Cristo e à Igreja". Ef 5, 32.

O MATRIMÔNIO E A FAMÍLIA
Toda criança nasce normalmente no seio de uma família. Vê, em primeiro lugar. o rosto do pai e da mãe. Acompanhada do sorriso dos pais, a criança vai desenvolvendo-se na condição humana. Suas mãos ensinam-lhe a caminhar certo. Sabe que pode contar com o seu amor. Um ser humano que é privado desta boa experiência no início da sua vida, terá muitas vezes dificuldade em confiar nos outros, a acreditar no amor dado e recebido. Por sua própria natureza, o amor conjugal exige uma ultrapassagem e uma abertura à fecundidade. Da união dos esposos pode nascer uma nova vida: o homem e a mulher tomam-se pai e mãe. A sua vida dilata-se, então. Cada filho é um dom de Deus, mas também uma missão. Por isso é importante que os esposos considerem diante de Deus e da sua consciência o número de filhos e a sua capacidade de educá-los. É também por isso que cada criança tem o direito de nascer no seio de uma farru1ia fundada no matrimônio. "A unidade, a indissolubilidade e a abertura à fecundidade são essenciais ao Matrimônio. A poligamia é incompatível com a unidade do Matrimônio; o divórcio separa o que Deus uniu; a recusa da fecundidade desvia a vida conjugal do seu 'dom mais excelente', a prole" (CIC 1664). Mas há casamentos que fracassam e os cristãos têm o direito a acreditar que, mesmo neste caso, não perdem o amor de Deus nem o da Igreja de Cristo (CIC 16491651).

Categories:

Leave a Reply