Novo ano acadêmico do Instituto Teológico de Vida Consagrada «Claretianum»


O que o mundo atual espera das pessoas consagradas é “a comunhão entre os carismas” para oferecer um testemunho mais eficaz da fé, afirma irmã Tiziana Longhitano, sfp.


Esta é a mensagem fundamental que deixou na lição inaugural do novo ano acadêmico 2006-2007, que aconteceu em 24 de outubro passado, no Instituto Teológico de Vida Consagrada «Claretianum», de Roma, por parte da religiosa franciscana sobre o tema «Justiça, paz, integridade da Criação. A vida consagrada frente às oportunidades e aos desafios do tempo presente»...


O Instituto «Claretianum» é dirigido pelos Missionários Filhos do Coração Imaculado de Maria (Claretianos), e oferece um plano de estudo sobre a vida consagrada válido para alcançar títulos de licenciatura, mestrado e doutorado.


A Irmã Tiziana reconheceu que «percorrer as vias da justiça, da paz e tornar visível o habitat natural sobretudo onde está mais degradado ou se abusou mais dele, se revela hoje como uma grande oportunidade de renascimento, uma maneira de concorrer a fazer melhor o mundo».


«Fomos colocados em um ponto da terra, mas toda ação inspirada na fraternidade e na esperança tem valor universal -- sublinhou a irmã Tiziana. Corresponde à vida consagrada colocar à disposição das pessoas o próprio carisma, que se revela sempre vivo, se é comercializado do mesmo modo que o talento evangélico».


Segundo a religiosa, «a pior praga para a vida consagrada poderia ser a de reter a sabedoria dos carismas e não fazê-la circular. O futuro é ser generosos, amáveis e viver a comunhão com outros institutos, criar redes fortes e visíveis para empregar do melhor modo nossas forças».


Para a irmã Tiziana, professora de Antropologia Teológica no «Claretianum» e no Ateneu Pontifício «Regina Apostolorum» (APRA), só «mantendo o pacífico progresso rumo a um mundo melhor se torna possível a compreensão recíproca entre as pessoas, grupos, povos e religiões para caminhar para a redenção e alcançar a união com o Senhor».


A religiosa, Franciscana dos Pobres, afirmou que «Cristo Jesus vem a dar cumprimento a esta humanidade» e «por esta razão, os gestos de justiça, paz, integridade da vida, postos em correlação, gozam dessa esplêndida beleza que brota da sabedoria de pessoas que puseram no centro da existência o bem de todos que amam e são seus amigos; quem o realiza deixa uma pegada luminosa que torna a existência bela e digna de ser vivida».


Falando da vida consagrada, a irmã Tiziana sublinhou que «consagradas e consagrados estão empenhados no social em resposta ao chamado carismático» e que «os fundadores não se detiveram nas análises sociológicas» mas «encarnaram a palavra do Senhor, muitos deles transformaram pessoas e territórios, voltando a dar capacidade de viver e luz a zonas e bairros degradados desde todos os pontos de vista».


Neste sentido, a professora recordou São Bento, São Francisco, Santa Ângela de Merici e entre os modernos, Ernesto Oliviero, fundador do Serviço Missionário Juvenil (surgido em Turim).


Entre as ações a favor da paz, a religiosa franciscana indicou que «a comunhão entre antigos e novos carismas se converte em uma oportunidade de promoção da paz e desenvolvimento de uma cultura conseqüente».


«As comunidades monásticas e as de vida apostólica -- recordou --, através da tradução de livros, da criação de universidades e de cursos internacionais, desde sempre foram os pilares culturais da paz e podem converter-se nos lugares públicos da profecia na realização de contatos de paz entre os povos».


A irmã Tiziana citou as palavras de Bento XVI no Congresso de Igreja Italiana de Verona, quando afirmou: «Consagrados pela ‘unção’ do Espírito Santo, ide! Levai o alegre anúncio aos pobres, vendai as chagas dos corações partidos, proclamai a liberdade dos escravos, a libertação dos prisioneiros, promulgai o ano de misericórdia do Senhor».


«Reconstruí as antigas ruínas, levantai os antigos escombros, restaurai as cidades desoladas. São tantas as situações difíceis que esperam uma intervenção resolutiva! Levai ao mundo a esperança de Deus, que é Cristo Senhor», afirmou naquela ocasião o Santo Padre.


A religiosa franciscana sublinhou que «o testemunho profético que o mundo espera das pessoas consagradas é a comunhão entre os carismas», é a união das «forças para ações eficazes».


«Devem trabalhar juntos, imersos no presente, fazer-se tudo para todos, a fim de ganhar o maior número deles», concluiu.




Fonte: Zenit

Categories:

Leave a Reply